Página Inicial | Webmail | Acesso Restrito | Fale Conosco
Desenvolvido por: SIGEP - Sistema Integrado de Gestão Pública


Nossa FORÇA vem dos MUNICÍPIOS



Encontro de Contas, Consórcios Cauc e Simples Municipal estão nas pautas esta semana

Publicado em 05/set/2017


O Senado Federal pode votar na terça-feira, 5 de setembro, o Projeto de Lei de Conversão (PLV) 25/2017, originário da Medida Provisória (MP) 778/2017, que estabelece um novo e melhor regime de parcelamento da dívida previdenciária. A proposição também engloba o encontro de contas previdenciárias entre os Municípios e a União. As entidades municipalistas como a FGM e a CNM trabalham para sua aprovação e pede envolvimento de todos os municipalistas nesta causa: mobilizar os senadores para que o projeto seja aprovado da forma que foi na Câmara, o que contempla reivindicações do movimento municipalista.

O presidente da FGM, Haroldo Naves, pede que os gestores goianos iniciem a sua mobilização junto aos três senadores goianos pedindo a aprovação do projeto. Uma vez aprovada, os valores a serem parcelados para quitação da dívida vão depender do saldo final do encontro entre os débitos dos Municípios e da Previdência Social. A proposição também cria o Comitê de Revisão da Dívida Previdenciária Municipal, vinculado à Secretaria de Governo do Gabinete da Presidência da República e à Receita Federal. A composição deste será definida por meio de decreto. Os créditos que tiverem controvérsias poderão ser revisados por esse comitê.

A emenda do encontro de contas prevê que diversos tipos de pagamentos deverão ser considerados, como a contribuição previdenciária dos agentes eletivos federais, estaduais ou municipais; parte da contribuição incidente sobre verbas indenizatórias (um terço de férias ou sobre auxílio-doença, por exemplo); contribuição previdenciária paga sobre a remuneração de servidores com cargo em comissão que possuem vinculação com regime próprio de Previdência Social no cargo de origem; o estoque de valores devidos pelo INSS referentes ao encontro de contas disciplinado pela Lei 9.796/99, entre outros.

Pautas prioritárias
Além disso, o Plenário da Casa também pode apreciar, em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 77/2015, que simplifica a prestação de contas de Municípios de menor porte. O texto aprovado prevê, especialmente, a simplificação nas regras para convênios e transferências de créditos da União e dos Estados.

Na visão das entidades municipalistas, as vantagens da PEC são evidentes: redução da burocracia associada à prestação de contas, diminuição de gastos com empresas terceirizadas, maior agilidade na prestação de contas, de forma simplificada, e liberação de tempo dos funcionários municipais para atuarem na área fim de suas atividades e não na área meio.

Outras vantagens indiretas envolvem uma prestação de contas mais simples, como Municípios que deixarão de se tornar inadimplentes com órgãos federais de controle e liberação de recursos, como o Cadastro Único de Convênios do Governo Federal, que podiam acarretar em suspensão das chamadas transferências voluntárias.

Na Câmara, a atenção municipalista se volta para Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde pode ser votado na terça-feira o Projeto de Lei do Senado (PLS) 2.542/2015. O projeto limita as exigências legais de regularidade, quando da celebração de convênios com a União, ao próprio consórcio público envolvido, sem estendê-los aos Entes federativos nele consorciados.

Fonte: FGM com dados da CNM


Compartilhar




 






















Parceiros




Filie-se


    Contatos


    E-MAIL: fgm@fgm-go.org.br
    TELEFONE: Geral (62) 3999-7450
    Rua 102 – nº 186 – no Setor Sul Goiânia – Go

    Fale Conosco


    Copyright © 2017-2019 - Todos os direitos reservados | FGM - Federação Goiana de Municípios